Nova DLC de Samurai Shodown erra feio ao objetificar e hipersexualizar nova lutadora

O ano é 2020. Estamos em plena quarentena global em função do COVID-19. Enquanto esse confinamento forçado provocado pela pandemia contribui para o aumento das estatísticas de agressão e casos de abuso envolvendo diversas mulheres e crianças dentro de suas próprias casas, os developers da SNK Corporation parecem estar vivendo em uma bolha de perversão típica de mangás e animes do gênero hentai hoje exportados para além das fronteiras da cultura pop nipônica.

 

A empresa anunciou esta semana que o próximo DLC de Samurai Shodown estará disponível para PlayStation 4, Xbox One e Nintendo Switch na próxima quarta-feira (13), mas a nova lutadora tem um estilo visual, no mínimo, questionável. Aparentemente bastante popular lá no Japão, a personagem Iroha é uma servil e atenciosa Maid, uma dessas meninas com expressões sexualmente sugestivas que se vestem com roupas de criadas ou governantas de luxo da era vitoriana.

 

Em sua história peculiar, na verdade, a pobre Iroha originalmente era uma garça (!) que foi transformada em uma empregada (!!) para demonstrar seu amor incondicionalmente ao seu jovem mestre (!!!). Detalhe, a identidade dessa figura de devoção de Iroha é desconhecida ao longo de todo o jogo, mas é bem provável que seja o próprio jogador, já que muitas vezes se curva e fala com os gamers antes e depois de suas lutas misturando referências as estéticas Kawaii, Lolita e Kegadols.

 

Segundo o SNK Wiki, seus criadores (machistas) ainda teriam confirmando que ela está realmente conversando especificamente com os jogadores do sexo masculino! Isso faz dela e do guerreiro Wan-Fu os únicos personagens com interações além da quarta parede da série Samurai Shodown. Aparentemente, até o próprio diretor do game, Noboyuki Kuroki, foi contra a adição dela em algum ponto, mas isso foi tudo que consegui entender desta entrevista para a Dengeki Online usando o Google Tradutor.

 

Dublada por Jun Miruno, anteriormente Iroha deu as caras na franquia Queen’s Blade e hoje até estrela seu próprio jogo para celular chamado Maid by Iroha, ainda indisponível no Brasil. Outro game baseado em torno dela estava programado para ser lançado no Nintendo DS, mas foi cancelado. Você também deve estar se perguntando, mas será que ninguém da SNK pensou que esse lançamento não poderia pegar meio mal no mercado mundial? Minha resposta depois de tudo isso é não, não pensou.

 

“Nossa, mas que papo chato, prefiro muito mais acompanhar as notícias do mundo do games sem ter pessoas esfregando na minha cara sem esses lances de empoderamento feminino. Ela é só mais uma uma gostosa virtual do meu joguinho de luta. Até já comprei o segundo Season Pass de Samurai Shodown por 5,99 US$”, se você leu isso e ainda não percebeu a ironia dessa minha citação machistas, vale lembrar que a presença das mulheres no universo dos jogos tem aumentado cada vez mais e segundo dados levantados pela Pesquisa Games Brasil 2019, 53% do público gamer por aqui hoje é formado por mulheres.

 

Se ainda prefere continuar alheio aos acontecimentos do resto do mundo, veja o trailer completo desse grande vacilo logo abaixo por sua conta e risco. Curiosidade #1: Conteúdo desse vídeo é tão bizarro e inadequado que até o YouTube aplicou um aviso de restrição de idade para todos os públicos. Curiosidade #2: Apesar do nome da série, a maioria dos personagens de Samurai Shodown não são samurais no sentido literal da palavra. Bom senso pelo visto nunca foi um ponto forte dessa franquia!

 

Nova DLC de Samurai Shodown erra feio ao objetificar e hipersexualizar nova lutadora

Guilherme Ávila
Sobre o autor
- Jornalista especializado em Games e Cultura Pop. Levando as notícias de entretenimento bem à sério, já escreveu bastante sobre curiosidades de Tecnologia, eSports, Filmes, Séries, Quadrinhos, Música, Jogos Indie e Offline, como Role-Playing (RPG), Cards e Boardgames. Passou pelos portais iG, Uai, Ragga e O Tempo apresentando matérias e podcasts com esses temas. Siga ele no Twitter @guilhermeavila